Busca
Busca
Economia colaborativa: como o conceito ajuda o futuro

Economia colaborativa: como o conceito ajuda o futuro

Economia colaborativa - como o conceito ajuda o futuro

Você já parou para pensar em como a tecnologia impactou seu dia até a leitura desse texto? Em questão de poucas horas, é possível verificar a previsão do tempo, utilizar um carro, pedir o almoço, ouvir música e assistir seu seriado favorito, tudo com o auxílio do seu smartphone. Nesse cenário, o conceito de economia colaborativa surgiu, ganhou força e possibilitou negócios nunca antes imaginados. 

Afinal, o consumo colaborativo permite a conexão de pessoas com necessidades, desejos e interesses em comum. Nesse modelo, é possível complementar sua renda ou ter acesso a um serviço mais barato, de maior qualidade ou ainda mais perto da sua localização. Se você deseja conhecer um pouco mais sobre o assunto, continue a leitura desse post e descubra os benefícios da economia colaborativa em diferentes setores: 

Economia compartilhada: o que é? 

A economia colaborativa é um conceito que possibilita a utilização de serviços e bens sem a aquisição dos mesmos. Em um contexto de crescimento populacional e repleto de má utilização de recursos, a proposta traz uma nova perspectiva sobre o consumo, reduzindo desperdícios e aumentando a eficiência. 

Nesse sentido, o compartilhamento impacta desde à forma como vivemos até o modo como negócios acontecem na sociedade. A economia colaborativa reforça a ideia de que o mais importante sobre um bem ou objeto não é sua posse, e sim a experiência proporcionada pelos mesmos. 

Transporte e o consumo colaborativo

Você precisa de um carro, mas para utilizá-lo não é preciso comprar um. Pode parecer utopia para algumas pessoas, porém essa é a realidade de quem utiliza uma plataforma de carsharing, como a moObie. Dentro do contexto da economia compartilhada, o modelo da empresa contribui para a mobilidade urbana, já que tem o potencial de reduzir a frota de veículos, e proporciona conveniência para o motorista. 

Assim como em todo vínculo proporcionado pelo consumo colaborativo, o compartilhamento de carros possibilita uma relação de “ganha-ganha” entre todos os envolvidos. Quem não possui um carro tem a possibilidade de utilizar um veículo quando precisar e o proprietário do automóvel ganha dinheiro por isso. 

Por meio do carsharing, a utilização de veículos passa a ser mais inteligente, refletindo em benefícios para o meio ambiente. Dessa forma, não restam dúvidas de que todos ganham por meio dessa prática. 

Hospedagem compartilhada

Ter um espaço sobrando em casa pode representar uma oportunidade de complementar sua renda mensal. Essa é uma das premissas do Airbnb. O site de viagens estimula que pessoas abram seus lares para turistas seguindo o conceito da economia colaborativa

Dessa maneira, assim como no compartilhamento de carros destacado acima, todos saem ganhando. O viajante que não deseja se hospedar em um hotel e não pretender lidar com a burocracia de alugar uma casa em outra cidade, encontra em uma plataforma do tipo conveniência e preços mais amigáveis. Enquanto isso, quem abre sua casa complementa a renda por conta da negociação. Muito legal, não é mesmo? 

Grandes possibilidades de economia colaborativa em outros setores

A economia colaborativa abre portas de negócios nos mais variados segmentos. Veja alguns deles:

  • Objetos: sabe aquele objeto que você só usa em ocasiões bem pontuais? O que acha de alugá-lo em vez de comprar? Na hora da reforma em casa, por exemplo, uma furadeira é muito bem-vinda. Sites de consumo compartilhado, como o Tem Açúcar?, permitem que você alugue essa ferramenta por algumas horas;
  • Serviços: está procurando uma diarista, professor ou marceneiro? A economia compartilhada também possibilita que você encontre o fornecedor ideal para a sua necessidade, como acontece no GetNinjas. É possível receber cotações e escolher a que faz mais sentido para você;
  • Pet: pretende viajar e não quer deixar seu cachorro ou gato em um hotel especializado? A economia colaborativa permite que você encontre pessoas apaixonadas por pets e que estão dispostas a cuidar do seu animalzinho favorito! Um bom exemplo é o Dog Hero.

Economia colaborativa em números

Como falamos anteriormente, um dos principais objetivos do consumo compartilhado é o de dar menos enfoque para a posse de um produto. E, assim, pensar mais na experiência proporcionada ao consumidor.

Mas, esse modelo também significa aumento na renda de empresas e pessoas. De acordo com um estudo da consultoria PwC, a economia colaborativa vai movimentar cerca de US$ 335 bilhões em 2025, número 20 vezes maior do apresentado em 2014. 

Gostou de conhecer um pouco mais sobre o modelo de economia colaborativa? Agora, só resta conhecer – ou utilizar novamente – esses serviços tão importantes! 

Entre na discussão